Senhor do Bonfim e as famosas fitinhas

A Basílica Santuário Senhor do Bonfim é um dos locais mais conhecidos e visitados de Salvador da Bahia, no Brasil. A história desta igreja começou em 1669 quando foi erguida em Setúbal (Portugal), uma ermida chamada Anjo da Guarda. Mais tarde passou a ser chamada de Igreja do Senhor do Bonfim.

D. João V fez uma promessa pela saúde do seu pai, o rei português D. Pedro II ao Senhor do Bonfim e desta forma começou a ser mais conhecido. De acordo com a devoção católica o Senhor do Bonfim é uma figuração de Jesus Cristo na visão da sua morte. Esta devoção encontra-se ligada a momentos de grandes crises e catástrofes naturais.

Anos mais tarde o navegador Theodósio Rodrigues de Faria, crente também no Senhor do Bonfim, fez uma promessa quando estava no mar, durante uma tempestade. Ele prometeu que se sobrevivesse traria de Portugal as imagens do Senhor do Bonfim (de Setúbal) e da Nossa Senhora da Guia. E assim foi.

Em 1745 trouxe uma réplica da imagem que se encontrava na ermida de Setúbal e iniciou-se a construção da Igreja do Senhor do Bonfim.

Inicialmente a imagem esteve na Capela de Nossa Senhora da Penha de França de Apagipe de Baixo, tendo no ano de 1754 sido colocada na colina do Bonfim. A passagem da imagem de um templo para o outro fez-se com uma procissão.

No ano seguinte à conclusão das obras da Igreja do Bonfim iniciou-se a famosa Lavagem do Bonfim, é a 2ª maior manifestação popular logo a seguir ao Carnaval. Ocorre todas as segundas 5ª feiras de janeiro.

Inicialmente começou por ser uma lavagem da Igreja pelos escravos. Ao longo do tempo esse ritual passou a ser realizado no exterior da Igreja. Atualmente as baianas abrem o cortejo e despejam vasos de água com cheiro no adro da igreja e nas cabeças dos fiéis.

Muito conhecidas e associadas ao Bonfim e a Salvador, são as fitinhas do Bonfim. Foram criadas em 1809 e eram conhecidas por Medida do Bonfim. Mediam 47 cm, que era o tamanho do braço direito da estátura do Senhor do Bonfim.

A fitinha era confecionada em seda e usada como colar. Ao longo do tempo passou a ter forma e confeção diferente e a ser usada no pulso. Hoje em dia existem fitinhas de várias cores e cada uma delas tem um significado diferente.

Eu já andei por Salvador e gostei bastante da cidade. Gostei muito do ambiente, da comida, da música e das pessoas. O bairro do Pelourinho é muito interessante e cheio de história! Eu estive lá este ano, na altura do Carnaval. Foi o máximo 🙂

Como planear uma viagem de forma independente (tal como eu faço)?
. Reservar os melhores voos no SkyScanner. Aqui consegue encontrar e comprar os melhores voos para o destino escolhido.
. Alugar carro no Rentalcars. Vai encontrar todas os parceiros e fornecedores disponíveis assim como os preços das várias gamas.
. Marcar no Get Your Guide os bilhetes de entrada nos locais que pretende visitar ou nos tours que quer fazer, para evitar filas e tempo perdido.
. Fazer o visto em iVisa.
. Fazer um seguro de viagem na Iati Seguros, para não correr riscos que podem sair caros.
. Utilizar o cartão Revolut, que lhe possibilita fazer pagamentos e levantamentos na moeda do local onde estiver a viajar (e poupar muito dinheiro em taxas).
. Marcar sempre que necessário uma Consulta do Viajante para conhecer os riscos associados à sua viagem e as respectivas medidas de protecção e prevenção.
. Optar sempre que possível por levar menos bagagem possível. Veja as minhas 10 dicas.

 

Sobre a Kate
É uma ex-consultora, blogger de viagens a tempo inteiro, viajante há 20 anos e mãe da Maria há 5. Viaja na maior parte das vezes em família, com a filha desde que era uma bebé de 2 meses e os 3 juntos já fizeram mais de 30 viagens pelo mundo.
Fundou o Wandering Life, organiza @instameets.pt, fundou e é vice-presidente da ABVP – Associação de Bloggers de Viagem Portugueses, tem ebooks onde ajuda outras famílias a viajar, organiza Workshops sobre Viajar com Crianças, fé undadora da comunidade Famílias de mochila às costas e da rubrica Conversas em família.

22 comentários em “Senhor do Bonfim e as famosas fitinhas”

  1. Olha, eu não tive uma boa experiência de viagem em Salvador, mas concordo que a igreja do senhor do Bonfim merece uma visita e algumas fitinhas na bolsa. Não sabia que a história tinha começado em Setúbal. Achei bem interessante.

    Responder
  2. Adorei esse post! 🙂 As fitinhas do senhor do bonfim são populares no Brasil inteiro, quase todo mundo usa uma amarrada no braço… Ficou mais interessante agora que sei a história por trás. 🙂

    Responder
  3. A Igreja do Senhor do Bonfim, além de ser muito bonita, tem um grande significado para o povo baiano. As missas de sexta-feira são lotadas e as fitinhas já são um símbolo nacional!! Todo mundo quer fazer os 3 desejos!! Adoramos Salvador, sua cultura, sua comida e seu povo. Ótimo post!!

    Responder
  4. Não conheço S. Salvador da Baia, mas, já comecei 🙂 Mais um excelente estímulo para me aventurar nestas paragens. E mais um belo relato histórico que a todos enriquece 🙂

    Responder
  5. As famosas fitas do senhor do Bonfim, se for a Bahia é praticamente obrigação comprar varias delas! Que linda a Basílica com várias!. Muitas saudades da minha Bahia depois desse post! 🙂

    Responder
  6. Nossa, não fazia ideia desses detalhes! Nunca fui a Salvador, uma vergonha, eu sei! Queria muito conhecer essa parte tão linda do Brasil! Adorei saber a real origem das fitinhas do Bonfim! Obrigada!

    Responder

Deixe um comentário