Safári sem malária na África do Sul (Addo Elephant National Park)

Quando pensei em viajar até à África do Sul uma coisa que não queria perder era a observação da vida selvagem. Pesquisei bastante sobre este tema, li vários artigos de outros bloggers e percebi que há duas formas de o fazer.

Game Drive

É possível fazer um passeio organizado numa reserva, designado de game drive, com um ranger que tem um excelente conhecimento sobre animais. Normalmente tem uma duração aproximada entre duas a três horas e o ranger leva-nos aos locais onde se encontram os animais da reserva. Neste passeio fazemos uma paragem de alguns minutos onde nos é explicado várias coisas sobre os animais que estamos a observar. Eu fui ao Garden Route Game Lodge e ao Sanbona Wildlife Reserve, vi vários animais como chitas e leões e aprendi bastante sobre eles.

Nestas reservas mais pequenas não há outra possibilidade do que irmos com uma visita guiada.

Sem visita guiada – Addo Elephant Park

Mas também há uma outra forma de observar animais no seu ambiente, que para mim é ainda mais interessante e que me permite ter a liberdade que eu tanto valorizo. Em algumas reservas (as maiores) pode-se entrar com carro próprio e percorrer os caminhos por nossa conta. Foi o que fiz no Addo Elephant Park. Este é o terceiro maior parque de toda a África do Sul, tendo no total 686.000 hectares. Escolhi também este local porque como viajei com a minha filha de quatro anos preferi manter-me em zonas livres de malária.

Percorri de carro os caminhos deste parque durante dois dias inteiros e foi uma experiência memorável, para todos os três, em especial para a Maria. Ver da janela do carro zebras, leões, javalis, búfalos ou elefantes é uma emoção enorme!

É totalmente proibido sair do carro, pelo que sempre que precisamos de o fazer temos de nos dirigir até a uma zona reservada que lá existe, totalmente vedada e por isso segura. Foi aqui que almoçámos num dos dias (no outro nem saímos do carro).

Obrigada ao Garden Route Game Lodge e ao Newington Place pelo desconto realizado ao valor do safári e da estadia respetivamente e ao convite do Sanbona Wildlife Reserve. Como sempre, os meus comentários são independentes.


Dicas para viajar até ao Addo Elephant Park

(Se fizer as suas reservas através destes links, não paga mais nada por isso e eu ganho uma pequena comissão, o que é determinante para eu continuar a escrever sobre viagens. Obrigada!).

Como chegar: Para ir direto ao Parque pode voar até Port Elisabeth, que fica a 75 quilómetros. Desta cidade é melhor alugar carro, uma vez que na África do Sul os transportes públicos podem não ser uma boa opção. Verifique na RentalCars mas digo-lhe já que eu aluguei com a Bidvest e correu tudo bem.

Como percorrer: No interior do Parque pode optar por ir sozinho como eu fui, o que lhe permite permanecer o tempo que quiser até ao fim do dia ou então pode fazer uma visita guiada, com duração muito mais curta e ver apenas uma parte da área total.

Onde dormir: Eu optei por dormir em Port Elisabeth, no Newington Place. É um local simpático, espaçoso e seguro, o que é importante nesta cidade.

Seguro de viagem: Eu tenho um cartão de saúde que me permite fazer uma extensão para os locais onde eu viajo, por isso normalmente não falo outro seguro. Para quem precise recomendo o da World Nomads, que é amplamente recomendado, tal como acontece com a Lonely Planet.

Consulta do viajante: Já aqui falei da importância da Consulta do Viajante. Todos os destinos e todos os viajantes podem beneficiar de uma consulta do viajante, no entanto, habitualmente, as viagens para países do hemisfério sul são as que mais preocupam. Não se esqueça de procurar um médico desta especialidade e manter-se informado.

Cartão bancário: Em viagem utilizo sempre o Revolut, tenho poupado imenso em taxas e um pouco também no câmbio, quando converto para a moeda que quero utilizar.

Deixe um comentário