Fotografar com a Canon PowerShot G5X Mark II

Há uns três anos atrás, pouco depois de começar a ter o meu blog, decidi investir numa boa máquina. O objetivo deste meu projeto sempre foi fazer dele uma profissão por isso tirar boas fotografias era algo fundamental para mim.

Nessa altura li algum material sobre as várias marcas e modelos existentes no mercado, falei com amigos com algum conhecimento na área e resolvi que o melhor seria escolher uma Canon. Apostei no modelo EOS 700D e nas objetivas 18/55 e 55/250, que utilizo até agora e estou muito satisfeita. Ando sempre com esta máquina, quer nos meus passeios por Lisboa, onde moro, ou nas viagens que faço pelo mundo.

Mas sinto falta de ter uma máquina mais pequena, que seja mais fácil de transportar para qualquer lado. Muitas vezes, quando estou em viagem e vou sair para jantar por exemplo, quero aliviar um pouco o peso nas costas e deixo a máquina no quarto. Depois arrependo-me e tenho noção de que há momentos que podia ter registado.

A Canon lançou há pouco tempo uma máquina compacta, que conheci num evento que a marca me convidou (Obrigada Canon!) e que tive oportunidade de experimentar. Num passeio em Belém fui tirando algumas fotos e percebi que a PowerShot G5X Mark II podia muito bem passar a acompanhar-me nas minhas viagens. Para testar a máquina em outras situações fiquei com ela uma semana e fiquei de facto rendida ao seu potencial.

Fotografar com a Canon PowerShot G5X Mark II
Canon EOS 700D (esquerda) e Canon PowerShot G5X Mark II (direita)

Primeira impressão

O conhecimento que tenho na área da Ergonomia (mestrado) permite-me dizer que a Canon PowerShot G5X Mark II é uma máquina que se adapta perfeitamente às mãos do utilizador (destro). É uma máquina leve, com apenas 340 g, e tem no lado direito uma pequena elevação que permite agarrar e prender os três dedos da mão de forma a manter a máquina bem segura (com a ajuda da pega que está do mesmo lado). Desta forma o polegar da mão direita fica totalmente livre para mexer no botão e o indicador no zoom por exemplo. A mão esquerda fica livre para tocar no ecrã.

Senti uma grande diferença comparando com a minha EOS 700D, que por ser uma máquina mais pesada (sensivelmente o dobro, com objetiva), não permite esta flexibilidade de movimentos. Pelo menos não durante tanto tempo, em que os braços/costas se começam a queixar.

A máquina

Na minha opinião a Canon PowerShot G5X Mark II tem algumas características interessantes, tais como:

  • O visor eletrónico OLED pop-up: basta carregar na parte lateral da máquina (Finder) e depois puxar;
  • Flash pop-up acionado com botão na parte de cima da máquina;
  • Monitor LCD tátil de 7,5 cm, inclinável 180º para cima e 45º para baixo;
  • Velocidade do processedor;
  • Wi-Fi e Bluetooth para ligar diretamente com o telemóvel, por exemplo;
  • Possibilidade de carregar com cabo USB.

Para verificar as características técnicas em pormenor aconselho ver a página da Canon ou ver este vídeo da Canon Australia. É a marca que a conhece melhor do que ninguém, eu apenas destaquei aspetos que me parecem relevantes.

Qualidade das fotografias

As fotografias tiradas com a PowerShot G5X Mark II são muito boas. Quer de dia ou de noite, período no qual tenho mais dificuldade em manter a qualidade com a minha EOS 700D, mantêm sempre uma qualidade brutal. Vejam só o que um sensor CMOS de uma polegada de 20.1 megapixels e um zoom óptico de 5x consegue fazer.

Qualidade dos vídeos

Os vídeos publicados no meu blog e redes sociais são tirados pela GoPro ou pelo drone Mavic 2 Pro, pelo que o que eu procuro numa máquina fotográfica são as fotografias, não o vídeo. Por esta razão não explorei muito a qualidade dos vídeos da PowerShot G5X Mark II. Mas dos vídeos que fiz, deu para perceber que têm uma excelente resolução (4K), mas que deve fazer falta a entrada para microfone.

Em resumo, a PowerShot G5X Mark II é uma máquina leve e fácil de transportar e que permite tirar fotografias com uma qualidade excelente, em vários cenários diferentes. Ideal para viagem. Compraria sem hesitar.


Muito obrigada Canon pela possibilidade de experimentar a máquina.

Como planear uma viagem de forma independente (tal como eu faço)?
. Reservar os melhores voos no SkyScanner. Aqui consegue encontrar e comprar os melhores voos para o destino escolhido.
. Alugar carro no Rentalcars. Vai encontrar todas os parceiros e fornecedores disponíveis assim como os preços das várias gamas.
. Marcar no Get Your Guide os bilhetes de entrada nos locais que pretende visitar ou nos tours que quer fazer, para evitar filas e tempo perdido.
. Fazer o visto em iVisa.
. Fazer um seguro de viagem na Iati Seguros, para não correr riscos que podem sair caros.
. Utilizar o cartão Revolut, que lhe possibilita fazer pagamentos e levantamentos na moeda do local onde estiver a viajar (e poupar muito dinheiro em taxas).
. Marcar sempre que necessário uma Consulta do Viajante para conhecer os riscos associados à sua viagem e as respectivas medidas de protecção e prevenção.
. Optar sempre que possível por levar menos bagagem possível. Veja as minhas 10 dicas.

 

Sobre a Kate
É uma ex-consultora, blogger de viagens a tempo inteiro, viajante há 20 anos e mãe da Maria há 6. Viaja na maior parte das vezes em família, com a filha desde que era uma bebé de 2 meses e os 3 juntos já fizeram mais de 40 viagens pelo mundo.
Fundou o Wandering Life, organiza @instameets.pt, fundou e é vice-presidente da ABVP – Associação de Bloggers de Viagem Portugueses, é fundadora da comunidade Famílias de mochila às costas e da rubrica Conversas em família.

Deixe um comentário