Os banhos árabes de Córdoba

A região da Andaluzia esteve ocupada pelos árabes durante várias centenas de anos. Granada foi o último local a ser reconquistado pelos cristãos, já no século XV. Este povo teve por isso uma enorme influência na vida dos andaluzes, em aspetos como alimentação, arquitetura ou língua.

Um legado que também ficou são os banhos árabes. Quando estive em Córdoba fui várias vezes, ao final do dia. Adorei o ambiente e também a sensação de relaxamento resultante do contacto com a água a diferentes temperaturas. Na minha opinião, esta experiência faz parte da viagem. Aconselho vivamente.

Um pouco por toda a Andaluzia pode ir aos banhos árabes e não só em Córdoba. Se for a Almeria, Granada, Málaga, Sevilha, Jaén, Cadiz ou Huelva, também existem.

Como surgiram os banhos árabes

Antes dos árabes

Começaram por existir termas romanas, banhos bizantinos e banhos a vapor. Já antes do século VII era muito apreciado o hábito de ir a banhos.

Árabes

Quando os árabes ocuparam os locais onde tinham estado os romanos, aproveitaram as instalações dos banhos que já existiam, mas adaptaram-nas a uma versão um pouco diferente. Eles acabaram por misturar vários aspetos dos banhos que existiam na altura, romanos e não só.

É interessante verificar que muitos dos banhos árabes que existem, encontram-se na proximidade das mesquitas. Antes da oração é obrigatório realizar as abluções, ou seja, a purificação do corpo. A proximidade dos banhos deverá muito provavelmente estar relacionada com esse facto. Existe sempre um ponto de água no acesso à mesquita, mas melhor ainda seria ir aos banhos árabes.

Inicialmente os banhos apenas podiam ser utilizados por homens, só muito mais tarde é que as mulheres tiveram acesso também. Em alguns casos foram definidos horários para o acesso dos diferentes sexos e noutros foram construídas diferentes estruturas para homens e mulheres.

Mas ir aos banhos era muito mais do que lavar o corpo, era um momento social entre os habitantes. Imagino tanta coisa que se falou… política e negócios, por exemplo. Os banhos árabes faziam realmente parte da vida do povo.

Depois dos árabes

Quando os árabes deixaram a Europa os banhos deixaram de ser utilizados. A Igreja não via com bons olhos um local onde era praticado o ócio e a preguiça, começando mesmo a acreditar-se que o banho poderia ser prejudicial à saúde. E assim, as instalações que existiam deixaram de ser utilizadas.

Foi só já quase no século XX, com mais informação, graças à evolução da ciência, que se dismistificou a ideia de que os banhos podiam fazer mal. E como resultado dessa mudança de mentalidade surgiram mais banhos árabes.

Os banhos árabes de Córdoba

Os banhos árabes são edifícios públicos dividos em várias salas, podendo variar um pouco de acordo com as instalações. Eu vou falar das instalações que conheci na cidade de Córdoba, as maiores da Europa. As que fui encontram-se localizadas muito próximo da mesquita, como é habitual. Estas instalações já foram cenário de filmes, séries e vários eventos culturais, são magnífícas. Por si só já valem a pena a visita.

Em Córdoba os banhos árabes têm três salas de água, sendo elas a sala fria com água a 16ºC, a temperada com água a 36ºC e a quente com água a 40ºC. Durante 1h30 podemos andar livremente por estas salas. Existe também a sala de vapor e a de descanso.

Eu nunca tinha ido e por isso não sabia exatamente o que deveria fazer, mas basta andar por lá, experimentar a sensação que gostamos mais e também o que os outros utilizadores que parecem estar mais à vontade fazem.

Área da receção
Área da receção (Crédito: Hammam Al Andalus)
Os banhos árabes de Córdoba
Sala temperada (Crédito: Hammam Al Andalus)

A experiência

Depois de vestir o fato de banho vamos para a sala temperarada, para uma piscina a uns agradáveis 36ºC. É aqui onde a grande maioria das pessoas está.

De vez em quando passamos para a sala fria, onde existe chuveiro com água a 16ºc. Cada um vai estar o tempo que quiser debaixo de água, de acordo com a sua sensibilidade. Eu detesto frio por isso era apenas uns segundos!

Seguidamente devemos ir sempre para a piscina de água temperada. A outra hipótese é ir para a sala quente e entrar numa pequena piscina onde existe uma cascata de água a 40ºC. Temos de entrar muito devagar, não é fácil estar dentro de água mais quente do que o interior do nosso corpo. Mais uma vez, assim como no chuveiro de água fria, estamos o tempo que quisermos. Depois da água quente voltamos sempre para relaxar para a piscina a 36ºC.

Portanto a ideia é estar na zona temperada e de vez em quando ir à sala fria ou à quente. Depois de cada deslocação devemos regressar sempre à zona temperada. Não vamos diretamente da zona fria para a quente.

É extremamente relaxante fazer este circuito várias vezes. O espaço, a decoração, a música, o cheiro, é todo um conjunto de experiências. Além de tudo isto pode sempre optar por marcar uma massagem. Marque com algum tempo de antecedência para assegurar que existe disponibilidade para os dias que está em Córdoba.

As fotos deste artigo foram cedidas gentilmente pelo Hammam Al Andalus.



Dicas sobre viajar até Córdoba

(Se fizer as suas reservas através destes links, não paga mais nada por isso e eu ganho uma pequena comissão, o que é determinante para eu continuar a escrever sobre viagens. Obrigada!).

Como chegar: Se for de Lisboa como eu, pode ir de avião para Córdoba, há alguns voos diretos para lá. Pode também ir de autocarro até Sevilha e depois optar por comboio como eu fiz.

Como se deslocar: A melhor maneira de se deslocar no centro de Córdoba é a pé uma vez que o centro não é muito grande. Se optar por alugar carro para explorar os arredores, pode comparar os preços e escolher o melhor negócio na Rentalcars.

Onde dormir: Recomendo ficar a dormir nos Apartamentos Córdoba Atrium, que ficam muito bem localizados, perto da antiga Mesquita.

Quer conhecer o mundo melhor?

Vou enviar histórias e fotos de vários lugares do mundo!
Deixe-se inspirar 🙂
Pode cancelar a subscrição a qualquer altura. Powered by ConvertKit

19 comentários em “Os banhos árabes de Córdoba”

    • Olá Flávia 🙂
      Os banhos de Budapeste são muito conhecidos também. Estes são um pouco diferentes, na minha opinião, vale também muito a pena experimentar. E se puder então com a massagem… Top.

      Responder
  1. Muito bacana, Catarina! Adorei saber um pouquinho mais sobre a histórica e, claro, sobre os detalhes. Ainda não tive a oportunidade de conhecer Cordoba e nem de experimentar o famoso banho árabe, mas deve ser mesmo muito interessante (e delicioso né?). Espero ter essa experiência em breve! 🙂

    Responder
  2. Banhos árabes… haverá melhor coisa no Mundo? 🙂 Acredito que sim, mas não são muitas lol Não foi aos de Córdova – estive à porta – mas a Sevilha. Esta semana faço nova ronda por cidades UNESCO de Espanha e… já tenho marcada nova experiência 🙂 Acredito que este post pode fazer MUITA gente feliz…

    Responder
  3. Que legal! Me fez lembrar dos “baths” da minha adorada Budapeste! Realmente esse tipo de programa é muito relaxante, se combinado com uma massagem então rs nada melhor depois de um dia explorando a cidade, ne?!

    Responder
  4. O post super rico em história e detalhes como sempre, Catarina! Sempre aprendo muito por aqui! A experiencia de visitar os banhos deve ser tão bacana! Poder ver de perto uma linda arquitetura, associada a um momento de relaxamento, daqueles pra lembrar pra sempre! Não deve ter mesmo nada melhor!

    Responder

Deixe um comentário