5 razões para conhecer Odemira

O concelho de Odemira é o mais extenso de Portugal. Localiza-se no alentejo, a sul do país, entre florestas de sobreiros, azinheiras e eucaliptos e as falésias da costa litoral. A paisagem por isso é muito diferente há medida que percorremos alguns quilómetros da região, o que faz com que viajar por aqui seja sempre emocionante. Nunca sabemos como vai ser a paisagem daqui a 30 minutos! Eu gosto bastante desta diversidade. No mesmo concelho posso estar na serra, na planície e junto ao mar.

De seguida indico cinco boas razões para visitar Odemira. Muitas mais há…

1 – Albufeira de Santa Clara, uma das maiores da Europa

A barragem de Santa Clara foi construída no âmbito do Plano de Rega do Alentejo e inaugurada no ano de 1968 com o nome de barragem Marcelo Caetano A sua bacia hidrográfica ocupa uma área de 1986 hectares (1986 campos de futebol!), o que faz com que seja uma das maiores da Europa. Tempos houve em que já foi a maior de Portugal, tendo sido “destronada” pela barragem do Alqueva.

É o aproveitamento hidroagrícola do rio Mira, que nasce ali mesmo no Alentejo, na Serra do Caldeirão e que corre lentamente até Vila Nova de Milfontes, onde chega ao mar. Além de servir para abastecer água para a agricultura e para o consumo humano e produzir eletricidade, a barragem é atualmente um ponto importante de lazer.

Atualmente existem algumas empresas que organizam tours no local, como acontece com a Bass Catch, empresa através da qual fiz um passeio de barco. Foi um passeio muito agradável, num local muito bonito, com uma belíssima envolvência serrana com montes e vales e um silêncio que caracteriza um pouco a paisagem alentejana. Não há rede de telemóvel, o que torna a visita à barragem ainda mais perfeita. Na minha opinião é um autêntico paraíso.

No decorrer do passeio o barco encostou num local privilegiado da barragem. Foi apenas preciso subir uns metros a pé até uma pequena casa onde aguardavam por nós uns petiscos típicos da região, parar um pouco e apreciar a beleza da paisagem e sentir a tranquilidade.

No regresso ao cais inicial o condutor do barco ainda proporcionou uns momentos de adrenalina com alta velocidade e algumas curvas! Pena foi ter terminado…

2 – Zambujeira do Mar, a Melhor Praia Urbana

A cerca de 60 quilómetros da barragem de Santa Clara, encontra-se a praia da Zambujeira do Mar. Odemira tem 55 quilómetros de costa, com todas as praias integradas no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, mas esta é especial. A sua beleza já lhe valeu a eleição da “Melhor Praia Urbana” de Portugal em 2012.

A Zambujeira é uma vila encantadora, com casas baixinhas tipicamente alentejanas, localizada na costa atlântica. É tranquila quase durante todo o ano, mas quando começa a fazer calor, muitos rumam para esta região, sendo o pico atingido no conhecido festival de verão, MEO Sudoeste.

Todas as ruas da vila se aproximam das falésias e é mesmo para aí que os nosso pés nos querem levar. A panorâmica da praia a partir do topo das falésias é lindíssima e na minha opinião se for no inverno então ainda melhor. O areal lá em baixo está deserto e o mar bravo, com ondulação forte. Dá um toque algo dramático a esta envolvência que já é bastante austera. Para continuar o passeio basta descer as escadas de madeira até à praia. Se estiver calor, é esticar uma toalha e deixar estar, quase que nos sentimos abraçados pelas falésias que rodeiam esta maravilha portuguesa.

Muito perto da praia da Zambujeira fica o Porto das Barcas, um porto de pesca com uma paisagem lindíssima.

3 – Cabo Sardão, o ponto mais ocidental da costa alentejana

A uns 20 minutos de carro desde a Zambujeira encontra-se o Cabo Sardão, o ponto mais ocidental da costa alentejana. Toda a zona que envolve o farol é de uma beleza esmagadora, que faz parar e ficar apenas a admirar. Aqui as planícies terminam em escarpas imponentes que caem a pique até ao mar lá muito em baixo, que bate continuamente nas pedras onde consegue chegar.

Quando percorremos a pé a costa, vemos lá em baixo pequenas ilhotas, local escolhido pelas cegonhas-brancas para fazer os seus ninhos. Em nenhum outro local da Europa estes pássaros nidificam no litoral, mas sim sempre em regiões mais interiores, afastadas do mar. Por esta razão o Cabo Sardão é conhecido pelo Reino da cegonha-branca.

4 – Vila Nova de Milfontes, a antiga terra de corsários

Nunca falamos da região da Costa Alentejana sem deixar de referir Vila Nova de Milfontes. É um local muito conhecido pelas melhores razões e são elas a praia, o rio, as ruas simpáticas da povoação, as pequenas lojas com artigos para todos os gostos e a fantástica gastronomia.

O que agora é Vila Nova de Milfontes já é ocupado há muitos anos, existindo vestígios do antigo povo fenício e romano. A sua localização sempre tornou este sítio um dos melhores portos naturais da costa sul de Portugal, o que foi muito tentador para piratas e corsários. Em pleno século XV ocorreu um saque de piratas argelinos que resultou na destruição da antiga povoação.

Mas o rei reconheceu que as atividades comerciais desta zona tinham de ser protegidas e desenvolvidas e por essa razão mandou repovoar a povoação e deu-lhe o nome de Vila Nova de Milfontes. Três séculos mais tarde, com a ocorrência de mais ataques foi mandado edificar o Forte de São Clemente para garantir as condições de segurança que permitissem o bom desenvolvimento da cidade.

Na minha opinião a zona mais interessante de Vila Nova de Milfontes anda à volta deste forte. A localização estratégica possibilita uma ampla visão da entrada do rio Mira no mar, da praia da Franquia e das Furnas, esta já do lado de “lá”.

5 – Almograve e suas as piscinas naturais

A 20 minutos de Vila Nova de Milfontes, a meio caminho do Cabo Sardão, encontra-se a praia de Almograve. Tal como todas as praias de Odemira, também esta está integrada no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina e tem um enquadramento lindíssimo.

Ao contrário da grande maioria das restantes praias desta zona, que são pequenas, esta tem um areal extenso, que faz com que seja um destino perfeito para muitos banhistas. Quando a maré está baixa, a praia torna-se um pouco estreita, mas é quando se formam piscinas naturais que possibilitam banhos em águas bem calmas e transparentes. Só falta mesmo serem quentes!!

Eu viajei a convite do Câmara Municipal de Odemira, mas todos os meus comentários são independentes.


Dicas para ir até Odemira

(Se fizer as suas reservas através destes links, não paga mais nada por isso e eu ganho uma pequena comissão, o que é determinante para eu continuar a escrever sobre viagens. Obrigada!)

Como chegar e se deslocar: Pode chegar a Odemira de autocarro (Rede Nacional de Expressos ou Rodoviária do Alentejo), comboio ou de carro. Pela A2 são pouco mais de 2h de Lisboa. Para se movimentar entre os vários pontos da região o melhor é utilizar carro. Se precisar de alugar espreite o Rentalcars.

Onde dormir: Eu fiquei na Quinta Pedagógica da Samoqueirinha – Duna Parque Hotel Group e gostei bastante. É um pouco afastado do centro de Vila Nova de Millfontes, mas perfeito para uma família com crianças.

Tours: Eu fiz um passeio de barco na barragem de Santa Clara com a Bass Catch e outro no rio Mira com a River Emotions. Ambos foram excelentes, com paisagens lindas e staff simpático e prestável e por isso recomendo.

Onde comer: Eu comi sempre bem em toda a minha estadia em Odemira. Gostei imenso do peixe fresco do “Sacas” (Zambujeira do Mar) e do arroz de polvo da Esplanada Oásis (Furnas). Mas a melhor experiência foi sem qualquer dúvida o “Alento“. Este espaço localiza-se nas Furnas, do lado oposto do rio Mira em que Vila Nova de Milfontes está. É muito discreto por fora, mas quando entramos ficamos rapidamente fascinados com a elegância e o bom gosto. Mas o melhor ainda está para vir. A comida é tão, mas tão boa. Pode não ser dos restaurantes mais baratos mas acredite, vai valer cada cêntimo.

Deixe um comentário